Menu

Versão
impressa

Edição impressa
Menu
Busca

Olimpíada

Sem público, tocha olímpica é acesa para os Jogos de Tóquio

Depois de percorrer a Grécia, chama irá embarcar para o Japão no dia 19 de março

12.03.20 18:54

Cerimônia aconteceu no antigo estádio de Olímpia, na Grécia (AFP)

Cerimônia aconteceu no antigo estádio de Olímpia, na Grécia (AFP)

A chama olímpica para os Jogos de Tóquio-2020 foi acesa nesta quinta-feira (12) em Olímpia, sem a presença de espectadores devido ao risco de coronavírus na Grécia, país que registrou nas últimas horas a primeira morte pela doença.
No local em que aconteciam os Jogos Olímpicos da antiguidade, a atriz Xanthi Georgiou, vestida como uma sacerdotisa grega, acendeu a chama de maneira tradicional, com os raios do sol que passaram através de um espelho parabólico.
A chama seguirá para o Japão, para a cerimônia de abertura de Tóquio-2020, no dia 24 de julho. "Este dia marca o início da viagem da chama olímpica até o Japão", declarou o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach. "Quando a chama voltar a Tóquio após 56 anos (foi sede dos Jogos em 1964), esperamos que ilumine o caminho através de todo o país", completou diante de um grupo restrito de convidados.
Pela primeira vez desde 1984, a cerimônia aconteceu sem a presença de um grande público, com apenas uma convidados, no estádio antigo de Olímpia. Em 1984, a chama foi acesa sem uma cerimônia ou público por um protesto dos organizadores gregos, que criticavam a comercialização dos Jogos Olímpicos de Los Angeles.
Desta vez, o Comitê Olímpico Internacional (COI) e o Comitê Olímpico Grego adotaram medidas drásticas devido ao coronavírus, que contaminou 98 pessoas na Grécia e provocou a morte de uma pessoaa.
"Lamentamos ter que reduzir a participação para proteger a saúde pública", declarou o presidente do Comitê Olímpico da Grécia, Spyros Capralos. "Tenho certeza que nossos amigos japoneses organizaram novamente excelentes Jogos, unindo tradição, tecnologia e respeito ao meio ambiente", completou.
Pela primeira vez na história, uma mulher iniciou o revezamento da chama, a grega Anna Korakaki, campeã olímpica, mundial e europeia de tiro esportivo.
A atleta grega de 23 anos percorreu o antigo estádio antes de passar a tocha a Mizuki Noguchi, campeã olímpica japonesa de maratona nos Jogos de Atenas-2004.
A tocha olímpica passará por 31 cidades e 15 sítios arqueológicos na Grécia, em um trajeto de 3,2 mil quilômetros. O percurso terminará no estádio Panatenaico de Atenas em 19 de março, quando será entregue à delegação de Tóquio-2020 antes de voar para o Japão.
"A tocha será alimentada por hidrogênio produzido pela energia solar na cidade de Namie, na prefeitura de Fukushima, entre os setores mais afetados pelo terremoto e o tsunami de 2011", declarou o presidente interino do comitê organizador de Tóquio-2020, Endo Toshiaki.
Uma grande dúvida paira há algumas semanas sobre a manutenção dos Jogos em Tóquio devido à pandemia do coronavírus.


A governadora da capital japonesa, Yuriko Koike, declarou que o cancelamento dos Jogos como algo impensável. Os organizadores repetem que o evento será realizado como previsto.

DESTAK EDITORA S.A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização expressa. Copyright – Termos de uso