Você está em: São Paulo > Diversão & Arte > Uma visão feminina sobre o cangaço

<< voltar próxima matéria >>

Diversão & Arte

Uma visão feminina sobre o cangaço

10 de Outubro de 2017

Ao longo de sua carreira como cineasta, Breno Silveira assinou quatro filmes diferentes, mas que tinham uma coisa em comum: o foco em personagens masculinos, como em "2 Filhos de Francisco", "Era Uma Vez" e até "Gonzaga - de Pai Para Filho". Agora, ele arrisca e conta uma história com duas mulheres à frente da trama. "Entre Irmãs", que entra em cartaz amanhã nos cinemas, é um longa com um olhar feminino e intimista, baseado no livro "A Costureira e o Cangaceiro", de Frances de Pontes Peebles. O roteiro, que é assinado por Patrícia Andrade, ajuda na proposta de lançar uma visão feminina à história.

O cenário é o nordeste brasileiro, entre os anos 1920 e 1930. Vemos as irmãs Luzia e Emília, vividas por Nanda Costa e Marjorie Estiano, respectivamente. Separadas pelas circunstâncias e criadas para serem costureiras, elas têm que superar seus problemas, sabendo apenas que só podem contar uma com a outra.

Política

Além de abordar muitos aspectos da vida pessoal das duas protagonistas, o filme de Breno Silveira estabelece cenário social e político importante. Por conta disso, as irmãs enfrentam o machismo.

Luiza, por exemplo, escolhe seguir um grupo violento de cangaceiros, algo que é visto como bem pouco feminino.

Uma visão feminina sobre o cangaço
0
349800


PUBLICIDADE

COD1141_conversordevinil_315x260_gif